Ocupação e utilização das praias no contexto da pandemia COVID-19

Qualidade dos metadados : 0.3333333333333333/1
Qualidade dos metadados :
Descrição dos dados preenchidos
Documentação de recursos em falta
Licença preenchida
Frequência de actualização não especificada
Formatos de ficheiro não normalizados
Cobertura de tempo não fornecida
Cobertura espacial não fornecida
Actualizado em 23 de abril de 2024 — Creative Commons Attribution 4.0 - CC BY 4.0

Agência Portuguesa do Ambiente

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) é um instituto público integrado na administração indireta do Estado, sob tutela do Ministério do Ambiente, dotado de autonomia administrativa e financeira e património próprio, e resulta da fusão de nove organismos, conforme estipulado pelo Decreto-Lei n.º…

6070 conjuntos de dados

Informações

Licença
Creative Commons Attribution 4.0 - CC BY 4.0
ID
60470f13454ae3a8b52851ce

Temporalidade

Data de criação
9 de março de 2021
Última actualização de recursos
23 de abril de 2024
Harvest
backend
Harvester Portal do Ambiente
source_id
5f7f42cb454ae3a3f2e36b2e
remote_id
{CA6C93A8-3D6E-4B55-826E-8946A3C21087}
domain
sniambgeoportal.apambiente.pt
last_update
2024-04-23 18:03:51.383000

Embutir

URL Estável

Descrição

As praias constituem espaços lúdicos muito importantes em Portugal, visitadas todos os anos por milhares de pessoas, pelo que, no atual contexto da pandemia da doença COVID-19 importa definir os procedimentos a ter em consideração na utilização destes espaços, de forma a não colocar em risco a estratégia adotada no controlo da pandemia.
O risco de contaminação através das secreções respiratórias (tosse e espirros) de uma pessoa infetada continua a ser o veículo direto de transmissão que também acontece nestes espaços, pelo que a utilização das praias não constitui uma exceção ao cumprimento das medidas gerais para a pandemia da doença COVID 19 definidas pela Direção Geral de Saúde (que recomendam o distanciamento físico, evitando a concentração de pessoas a higiene frequente das mãos a etiqueta respiratória a limpeza e higienização dos espaços e a utilização de máscara e viseira, quando tal se revele necessário e adequado.
Com base em dados de surtos anteriores de SARS e MERS, os cientistas estimam que há um baixo risco de transmissão do vírus que causa a doença COVID-19 através da água Também é estimado que o risco de transmissão através de sistemas de águas residuais tratadas seja baixo.
Complementarmente, não existem, à data, estudos sobre a presença do SARS CoV 2 na areia.
No entanto, considerando o princípio da precaução é apropriado adotar medidas de manutenção do risco tão baixo quanto possível, o que pode ser alcançado através da divulgação intensiva à população dos cuidados a ter nestes espaços públicos na preparação destes espaços para que induzam à adoção de boas práticas e na promoção de uma articulação de todas as entidades com competência para potenciar as ações de prevenção e fiscalização.

Ficheiros 1

Pré-Visualização 0

     


  • Os ficheiros JSON e XML descarregados a partir deste painel de pré-visualização são gerados a partir do ficheiro selecionado e podem não corresponder aos recursos originais alojados na plataforma com o mesmo formato.

Recursos comunitários 0

construiu uma base de dados mais completa do que as aqui apresentadas? Agora é o momento de o partilhar !

Explorar as reutilizações deste conjunto de dados.

Já utilizou estes dados? Faça referência ao seu trabalho e aumente a sua visibilidade.

Discussão entre a organização e a comunidade sobre este conjunto de dados.